Manutenção de veículos: conheça os principais tipos e sua importância!

Manutenção de veículos: Conheça os principais tipos e sua importância para garantir um bom desempenho, desacelerar o desgaste, e manter a segurança na direção!

Manutenção é o conjunto de procedimentos, destinados a garantir o bom funcionamento e prolongamento da vida útil dos automóveis, máquinas e equipamentos. Devido à importância, devem-se conhecer os tipos de manutenção e suas características, para realizá-las com eficiência, o que proporciona as seguintes vantagens:

  • Eficiência na operação do carro.
  • Evita a redução de sua potência, reduzindo o desgaste de seus componentes.
  • Aumenta a vida útil do veículo e seus componentes.
  • Proteja o meio ambiente.
  • Aumenta os benefícios que o carro proporciona ao seu proprietário.
  • Direção segura.
  • Evite altos custos com reparos, bem como, ter que acionar o serviço de proteção veicular.
  • Evita acidentes.
  • Identificar falhas e situações previsíveis.

Quais os tipos de manutenção de veículos?

Os principais tipos de manutenção de veículos são classificados pela forma como são realizadas e podem ser:

  • Manutenção corretiva
  • Manutenção periódica
  • Manutenção agendada
  • Manutenção preditiva
  • Manutenção em condições operacionais
  • Manutenção preventiva.

Conheça as mesmas de forma mais detalhada, a seguir:

Manutenção corretiva para veículos

A manutenção corretiva para veículos é aquela que deve ser realizada quando o carro ou máquina sofreu uma avaria ou foi danificado, e, é necessário o seu reparo rápido. 

Nesse caso, a manutenção é realizada quando o problema já aconteceu e causou danos que impedem o bom funcionamento do veículo, além de colocar em risco a segurança do motorista, passageiro e demais pessoas que circularem na estrada. 

Manutenção veicular periódica

Como o próprio nome indica, a manutenção veicular periódica é aquela que é realizada após um período de tempo, geralmente longo (entre seis meses a um ano), é praticada, regularmente, em empresas com frotas de automóveis, onde a manutenção deve ser realizada de forma obrigatória.

Sua importância é garantir que o veículo funcione de forma adequada, principalmente aqueles que trafegam pela cidade com muita frequência e transportam passageiros.

Manutenção veicular agendada

Este é outro sistema de manutenção praticado hoje; Baseia-se na suposição de que as peças sempre se desgastam da mesma maneira e no mesmo período de tempo, mesmo trabalhando em condições diferentes. Por isso, muitos motoristas optam por já encomendar peças quando as do seu veículo estão prestes a atingir o prazo especificado no manual do veículo. 

No entanto, isso pode representar gastos desnecessários, pois ao solicitar a manutenção, são retiradas peças que estão funcionando perfeitamente, por exemplo, no caso de um condutor que não utiliza muito seu veículo (apenas para ir ao trabalho e viagens curtas). 

Manutenção preditiva do veículo

A manutenção preditiva do veículo se baseia na determinação de possíveis falhas antes que elas aconteçam e, assim, evitar paradas repentinas que causam perda de tempo para os proprietários de carros e, além disso, altos custos de reparo.

Geralmente, o próprio condutor já identifica alguns ruídos ou sinais anormais durante a condução, o que acaba levando-os a realizar a manutenção mesmo antes do recomendado no manual. 

Manutenção em condições de operação

Esta é mais do que um tipo de manutenção, é uma prática que deve ser seguida quando um determinado sistema de manutenção é implementado em uma empresa e consiste em adequar o programa de acordo com as mudanças nas condições em que os carros se encontram.

Manutenção preventiva veicular

A manutenção preventiva veicular deve ser realizada a cada seis meses ou 10.000 km rodados com seu veículo. Além, é claro, das especificações presentes no manual do fabricante do veículo sobre os componentes do mesmo (troca de filtros, vida útil da bateria, pressão dos pneus, etc.). 

Isso enfatiza que sua essência são revisões e inspeções programadas que podem ou não resultar em uma tarefa corretiva ou troca de peças em automóveis.

Este tipo de manutenção consiste na verificação e troca de alguns componentes, de acordo com os intervalos previstos pelo fabricante do automóvel e realizados com maior frequência.

Devemos lembrar que um carro é feito com um grande número de peças que, com o uso, o desempenho operacional dos componentes é reduzido devido ao desgaste, deterioração, corrosão, etc.

Uma vez que não são utilizados dois veículos nas mesmas condições e porque um veículo nem sempre é mantido pela mesma pessoa, não se pode esperar um desgaste uniforme ou deterioração de todos os componentes ao mesmo tempo.

Manutenção preventiva básica: Itens analisados!

A seguir, os itens analisados em manutenção preventiva básica de veículos:

Motor

A manutenção preventiva do motor evita o desgaste prematuro de suas peças, muitas vezes submetidas a condições extremas de operação. A troca de óleo e filtros dependerá das recomendações do fabricante que estão abaixo dos parâmetros limite de quilometragem, em primeiro lugar, ou de tempo geralmente expresso em meses/anos.

Cabe ao utilizador informar o concessionário ou oficina autorizada a que se dirige para efetuar o serviço de manutenção, qualquer anomalia ou pormenor pertinente sobre o funcionamento anormal do motor. Como mudanças incomuns nos níveis de temperatura, ruídos, gotejamentos, vapores ou falta de energia em determinadas situações.

Lembre-se, o motor que funciona bem é aquele que utiliza com eficiência recursos como o combustível e os lubrificantes.

Freios

Os freios são a espinha dorsal do sistema de segurança do seu veículo e é por isso que eles devem funcionar sempre com precisão. 

Normalmente, a manutenção dos freios pode passar despercebida e os usuários adiam até que ocorram grandes falhas para verificá-los, esta situação não é apenas tristemente comum, mas também pode ser fatal.

A cada frenagem, o atrito inevitavelmente causa consumo de material e, embora acreditemos que temos que esperar até o último momento para substituir os discos ou pastilhas, devemos levar em consideração outros fatores que aumentam o desgaste – como o estilo de condução – e aumentam – silenciosamente – o risco de um acidente.

Embora a troca de algumas peças e consumíveis possa exigir um investimento significativo de dinheiro, principalmente quando são originais, não se deve economizar no esforço para realizá-la. Além disso, você deve ir a oficinas de boa reputação e equipamentos especializados.

Pneus

A manutenção dos pneus não se limita apenas a medir a pressão ou avaliar sua aparência externa. Uma consulta com especialistas deve ser agendada periodicamente para verificar seu alinhamento e balanceamento para garantir a estabilidade do veículo.

A ideia é garantir que o desgaste, que é inevitável, seja pelo menos uniforme e não afete o funcionamento de outros sistemas do carro. 

Pneus com mau funcionamento podem acelerar o tempo de substituição e podem até aumentar o consumo de combustível em 15%, também aumentar o estresse nas suspensões, eixos, sistema de transmissão, gerar direção instável, vibrações e ruídos que podem incomodar a cabine e que acabam sendo o aviso de sérios danos às peças.

E não devemos nos esquecer de incluir o estepe na revisão e manutenção, que em muitos casos tende a ser menor que os de serviço, pois podem ser mais vulneráveis ​​a danos e falhas. Como eles são usados ​​em caso de emergência, para resolver situações imprevistas, devemos ter cuidado para que suas condições sejam ótimas e que nos tirem do problema e não o compliquem ainda mais.

Agora que sabe quais os tipos de manutenção de veículo e qual a sua importância, não deixe de realizar as revisões necessárias em seu carro!