Moda e mercado: o que é ready-to-wear?

Quem gosta de moda vive se deparando com termos desconhecidos. O ready-to-wear é um deles. Explore esse conceito e entenda o seu uso no street style!

Basta ler uma revista ou entrar em algum portal de moda que, rapidamente, avistamos o termo ready-to-wear. Utilizado há décadas no universo fashion, esse conceito nasceu após a Segunda Guerra Mundial e, até hoje, vem sendo amplamente explorado no mercado. Em outras palavras, camisetas simples, vestidos descolados e acessórios diferenciados fazem parte dessa temática.

Aliás, entendê-lo é uma ótima maneira de compreender como funciona o processo de produção de roupas, tanto no Brasil, quanto no mundo. Fora isso, também é comum que muitas pessoas confundam essas palavras com a sofisticada Alta Costura — que consiste em um modelo completamente diferente.

Por isso, se você se interessa pelo assunto e pretende se atualizar, esse é um ótimo momento para se aprofundar na história e solucionar de vez qualquer dúvida. Neste post, te damos uma força nessa tarefa. Fique de olho para saber mais!

Desvendando o ready-to wear: da sua origem à atualidade

Para entender o que é ready-to-wear, precisamos voltar alguns anos atrás — mais precisamente, até a época da Segunda Guerra Mundial. Naquele período, os Estados Unidos ficaram completamente isolados do continente europeu. Fato responsável por fazer com que as principais tendências de vestuário estivessem concentradas unicamente na Inglaterra e França.

Esses países passaram a utilizar os seus próprios talentos e recursos, visando construir uma mega indústria de moda. Mas, em paralelo, e mais precisamente entre os anos 1929 e 1930, os Estados Unidos começaram a adotar o conceito de design no setor industrial.

O resultado disso? Itens de vestuário produzidos em massa. Foi nesse momento que nasceu o famoso ready-to-wear que, traduzindo para o português, significa “pronto para vestir”.

E, após a sua disseminação em território estadunidense, não demorou muito até que esse método também conquistasse os europeus — especialmente, os franceses. Assim, a partir do fim da década de 1940, a França também adotou o sistema, criando o que conhecemos hoje como prêt-à-porter.

Vale lembrar!

Antes do surgimento do ready-to-wear, as pessoas só conseguiam obter as suas roupas por encomenda, solicitando os serviços de estilistas, costureiros e alfaiates.

Mas, uma vez em ação, rapidamente, esse novo modelo modernizou o mercado da moda. Com ele, muitas marcas conseguiram tornar o consumo mais acessível — facilitando a aquisição de peças, consideradas até então inalcançáveis, por indivíduos de diferentes classes sociais.

Desse modo, o ready-to-wear, ou prêt-à-porter, vem sendo o modo de produção de vestuário mais utilizado no mundo inteiro. O sucesso foi tão grande que, hoje em dia, a maioria dos looks utilizados pelos brasileiros são todos fabricados seguindo essa proposta.

A diferença entre o ready-to-wear e a Alta Costura

Como foi dito, não é raro encontrar pessoas que confundem o ready-to-wear com a Alta Costura (Haute Couture). No entanto, é preciso destacar que ambos os modelos de produção são muito distintos.

No primeiro, você encontrará roupas de tamanhos já prontos e padronizados. Ou seja, que vão desde o PP, passando pelo P, M, G, GG, XG e por aí em diante. Por outro lado, a Alta Costura funciona diferente. Nela, todo o trabalho é feito de modo personalizado e à mão, dispensando o uso de muitos maquinários.

Ainda em dúvida? A seguir, mostramos as principais diferenças entre ambos:

Ready-to-wear:

  • As roupas são mais acessíveis, mesmo sendo luxuosas e de boa qualidade;
  • As medidas são padronizadas;
  • O processo de produção é feito com a ajuda de máquinas;
  • Essas peças podem ser feitas em qualquer país.

Alta Costura:

  • As roupas são luxuosas e ricas em detalhes;
  • Normalmente, são confeccionadas por grifes;
  • Cada peça é produzida sob medida;
  • A maioria das peças é costurada manualmente;
  • As vestimentas autênticas da Alta Costura devem ser confeccionadas exclusivamente na França.

Tendências ready-to-wear para acompanhar

A cada temporada, as coleções ready-to-wear trazem uma série de tendências incríveis para quem ama desfilar por aí com looks atuais e bem elaborados. Abaixo, te contamos quais são as novidades do momento e que prometem se estender até o fim de 2021.

  • Calças longas extremamente largas: clássicas e sempre na moda, elas podem ser aproveitadas em várias ocasiões, especialmente, se forem confeccionadas em alfaiataria. Também ficam ótimas quando coordenadas com croppeds e blusas bem justas;
  • Tons pastéis: delicadas e, ao mesmo tempo, alegres, essas cores são ótimas para serem utilizadas tanto no inverno, quanto no verão. As versões em rosa-bebê, azul e lavanda são as preferidas, podendo ser vistas em roupas e acessórios;
  • Minimalismo:o “menos é mais” nunca esteve tão em evidência. Nesse estilo, você verá peças extremamente discretas, sem muitas estampas ou cores chamativas, com linhas sutis e confeccionadas a partir de tecidos de qualidade.

E aí, gostou de aprender o que é ready-to-wear, a sua história e tendências? Agora, você tem todas as informações para arrasar em suas produções e exalar originalidade em qualquer lugar!