Por que a Ford fechou suas fábricas no Brasil?

A Ford é uma das montadoras mais tradicionais, com mais de cem anos de presença do mercado, com tantos anos de experiência, o que fez a montadora encerrar a  sua produção por todo território nacional.

O que fez a montadora mais antiga do Brasil presente desde 1919 encerrar completamente suas operações em todo o território nacional?

A montadora já vinha dando indícios de  que poderia encerrar as atividades no país, após 100 anos de parceria, quando no ano de 2019, encerrou suas operações na cidade de São Bernardo do Campo SP No ano de 2021, a Ford anunciou que encerraria de vez.

Operações afetadas

Com a decisão, foram afetadas principalmente três fábricas, em Camaçari, região metropolitana de Salvador na Bahia, Taubaté, no estado de São Paulo, e Horizonte no Ceará.

Camaçari e Taubaté encerraram suas atividades imediatamente, enquanto Horizonte continuou operando por mais alguns meses.

Isso significa que o país vai deixar de vender carros da Ford?

A montadora possui uma quantia considerável de concessionárias sendo 280 no total, que continuarão a vender os veículos, porém, não havendo montadoras no país, os carros vão ter de ser importados de outros países da América do Sul, como, por exemplo Uruguai e Argentina.

Os motivos da saída da empresa

Engana-se quem acredita que a notícia do encerramento das atividades pegou todos de surpresa, o mercado especializado já esperava tal ação, afinal, a montadora vinha de números já insatisfatórios e cada vez piores.

A montadora que levou muito tempo para se atualizar acabou pagando o preço quando as montadoras chinesas se instalaram no país, amargando um quinto lugar dentro do ranking de maiores montadoras, com a sua porcentagem caindo quase pela metade em uma década.

Principais motivos para o fim da produção no Brasil.

  • Custo Brasil – A alta carga tributária, custos de infra estrutura e logísticos. São fatores principais que fizeram com que não mais compensasse produzir veículos no país. Segundo a Anfavea, associação das montadoras no Brasil, o custo gerado por causa das especificidades do país pesou sim para a decisão da Ford, por mais que a empresa não tenha admitido. 
  • Alta do dólar – A desvalorização do real perante a moeda americana afetou todos

os setores da sociedade brasileira. Até mesmo os produtos nacionais, que teoricamente poderiam sofrer barateamento, estão atrelados ao dólar. Ou seja, a alta do dólar cresceu os custos de produção e a queda do real diminuiu o lucro..

  • Reestruturação – A empresa há anos passa por uma repaginada em sua produção, principalmente com o intuito de diminuir os custos, aumentar o lucro e utilizar melhor as novas tecnologias que já estão presentes no mercado.
  • Eletrificação – Ao encerrar suas operações a empresa deixou claro que está em busca de modernizar sua frota, utilizando combustíveis renováveis e criando veículos cada vez mais integrados. Essa atitude busca reconquistar grande parcela do mercado que a montadora perdeu ano após ano por causa de sua modernização tardia.
  • Pandemia – A situação do coronavírus  trouxe grande instabilidade e prejuízo para diversos setores da economia mundial, com todos os fatores pesando contra, o setor automotivo sofreu baixas, uma vez que o consumidor brasileiro diminuiu a procura por carros zero quilômetros.

Com todo o cenário tornou-se mais viável para a empresa encerrar as operações no país e migrar para a Argentina.

A versão da empresa

Juntamente com o comunicado de desligamento das operações a empresa soltou uma nota onde tenta se justificar e aponta os fatores que influenciaram para a tomada de decisão.

  1. “Continuidade do ambiente econômico desfavorável” – O ambiente econômico é sim um fator existente, A maior instabilidade, menor consumo e o custo Brasil foram sim determinantes, porém se fossem os únicos o país não possuiriam mais montadoras, o que não aconteceu. O fechamento da Ford é resultado da combinação das especificidades brasileiras com os erros cometidos pela empresa, o país é consumidor de quase metade dos carros produzidos na América do Sul.
  2. Em carta enviada às concessionárias a montadora informou que a situação já era insustentável desde o ano de 2013, e que a matriz nos Estados Unidos que estava subsidiando os custos uma vez que o fluxo de caixa não era favorável. 
  3. Efeitos da pandemia –  A já citada queda nas vendas causada pela pandemia foi como a última gota que fez transbordar. Mas não foi o principal fator nem o secundário, na verdade foi só a questão que fez com que a situação ficasse irreversível.

Como vai afetar o país

  • Linha de Montagem – Com o fim da produção local, estima-se que ocorra a perda de mais de 5 mil empregos diretos
  • Parte da operação vai permanecer – A sede administrativa da empresa na América do Sul está localizada na cidade de São Paulo, será mantida, assim como o centro de provas no estado de São Paulo e o centro de desenvolvimento de produto na Bahia.
  • Rastreio de Frotas – A operação de rastreio de frotas da empresa continuará.