VEDAÇÃO DE DUTOS DE VENTILAÇÃO: MAIS EFICIENTE DO QUE NUNCA

DUTOS DE VENTILAÇÃO

Embora um dos objetivos dos profissionais em nosso setor seja usar a energia disponível da forma mais eficiente possível para atingir um nível ideal de conforto, o que acontece quando o equipamento instalado tem dificuldade em atingir o retorno esperado? Claro, uma infinidade de cenários são possíveis e um deles visa vazamentos de energia. É sobre isso que este artigo tratará.

De fato, de acordo com um estudo [1] do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley da Universidade da Califórnia, até 40% do fluxo de ar que circula nos dutos de ventilação de um edifício comercial ou residencial pode ser perdido. Fita adesiva e mástique são as duas opções mais comuns usadas na indústria para vedar um duto. Com razão, essas soluções chamadas clássicas e convencionais podem efetivamente cobrir a grande maioria das cavidades arriscadas. Mas como é que sempre existe uma porcentagem tão alta quando se trata de perdas de energia?

Cientistas do laboratório Lawrence Berkeley investigaram a questão. Depois de ver uma quantidade incrível de pequenas rachaduras, rachaduras e buracos revestindo os dutos de ventilação, eles perceberam que qualquer CFM (pés cúbicos por minuto) perdido no envelope do edifício não entra mais nas áreas ocupadas. Isso significa que o sistema deve fornecer um fluxo de ar muito maior para atingir a temperatura desejada, sem falar que demorará muito mais devido a vazamentos. Portanto, era normal que os meios mais tradicionais (fita adesiva, mástique) não chegassem não para contrariar este problema, considerando a magnitude que representa.

UMA SOLUÇÃO INOVADORA

Cientistas do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, especialistas em qualidade do ar interno, em colaboração com o Departamento de Energia dos Estados Unidos, em 1994 desenvolveram uma nova tecnologia para selar perfeitamente todos os vazamentos remanescentes em um duto de ventilação; este processo é comercializado sob o nome de Aeroseal. 

Efetivo por um período de aproximadamente 45 anos, esse processo de vedação oferece uma opção adicional quando os conduítes parecem estar obsoletos. Na verdade, ele permanece totalmente elástico ao longo de sua vida útil, o que é essencial devido à expansão e regressão dos dutos que reagem ao aquecimento e ao ar condicionado.

Assim, em vez de proceder com a substituição completa de um sistema de dutos, esse processo pode estender sua longevidade consideravelmente. Concretamente, os componentes químicos deste produto são formados por uma emulsão estável de água e polímeros de acetato de vinila. Além disso, sua natureza atóxica e não inflamável torna o produto seguro para todos os locais que exigem um alto nível de saneamento e higiene, como escolas e hospitais.

UMA MUDANÇA NA INDÚSTRIA

Utilizada inicialmente apenas no setor residencial, essa tecnologia migrou para o setor comercial há apenas alguns anos. Em parte, isso se deve ao fato de que originalmente o equipamento de vedação foi feito para sistemas menores. 

Não esqueçamos, no entanto, que a necessidade não estava tão presente no setor comercial, pois este tipo de projeto já era muito supervisionado para atingir elevados padrões. Por outro lado, o crescente entusiasmo é explicado por um desejo muito mais presente da população em promover a economia de energia.

CONCLUSÃO

É verdade que adotar uma perspectiva ecológica exige investimentos. Porém, mesmo que esse tipo de mudança atinja sua parcela de céticos, é possível observar uma mudança cada vez mais assumida em nosso setor. 

Certamente, os profissionais de nossa comunidade buscaram novas estratégias de economia de energia com relação à produção de energia e envelopes de construção. 

No entanto, a eficiência energética ainda está defasada neste aspecto e é por esta razão que interessar-se pelo processo de selagem de condutas é o próximo passo a dar para tornar os nossos edifícios ainda mais eficiente. Se você precisar de ajuda, pode contar com a MetalTherm