Como melhorar a qualidade de vida morando em grandes metrópoles?

Muitos de nós sabemos que as cidades grandes podem comprometer a nossa saúde. Uma pesquisa pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, mais conhecido pela universidade de medicina  da USP ( Universidade de São Paulo).  

A Megacity, como muitos apelidaram a grande São Paulo, fez um estudo em que apontou que cerca de 5 mil moradores da região da capital paulista, e os 30% das pessoas participantes apresentaram sintomas de transtornos psicológicos.

E ainda, segundo dados do mesmo estudo mostram que somente 8,7% dessas pessoas que apresentam algum tipo de transtorno recebem acompanhamento necessário.

Segundo um professor da Unicamp, alerta que isso pode afetar consideravelmente a saúde dos brasileiros, podendo aumentar a insônia e a pressão arterial. Isso pode fazer com que a pessoa como muito ou pouco, fazendo ainda reduzir a produtividade.

São Paulo, está fazendo um planejamento para melhorar o atendimento para essas pessoas que apresentam algum tipo de transtorno. Podendo ter equipes especializadas para fazer o atendimento a domicílio.

Podendo assim fazer a identificação dos casos mais graves e de risco e dar encaminhamento. Enquanto esse tipo de serviço ainda não acontece você pode observar alguns sintomas como:

  • Palpitações;
  • Um aumento de suor em momentos de tensão
  • Pensamentos ruins que não saem da sua cabeça;
  • Falta de atenção frequentemente.

Segundo pesquisadores, um bom exercício para se acalmar quando o barulho da cidade grande falar mais alto é fazer respirações abdominais, tentar fazer alguma movimentação diferente, pode contribuir também. 

Além disso, é muito importante fazer exames regularmente de rotina, como a coleta de sangue, para saber se está tudo bem com sua saúde e manter os exames em ordem. 

Saiba quais são os transtornos que mais afetam os brasileiros

Aqui vamos saber alguns dos transtornos que mais afetam a população na grande São Paulo.

Transtornos de Ansiedade –  19,9%

Sendo um dos transtornos mais diagnosticado entre as pessoas. Com um indicador maior de 10,6% de pessoas com fobias, como medo de objetos, animais ou de algumas situações.

Depois vem a fobia social que envolve pessoas que impossibilita a interação com outras pessoas. E em seguida vem o conhecido TOC (Transtorno Obsessivo-Compulsivo) que engloba manais mais intensas.

Além disso, também foram diagnosticadas pessoas com medo de multidões, síndrome do pânico e estresse pós-traumático.

Transtornos de Humor – 11%

Segundo dados, cerca de 85% dos casos diagnosticados são de depressão profunda, isso pode fazer com que a pessoa se afaste de suas obrigações diárias. Em seguida aparece o transtorno de bipolaridade, que são aquelas mudanças alternadas de humor.

Apesar de ter uma baixa porcentagem de diagnósticos entre as pessoas que é de apenas 1,5%, ela ainda é responsável pela maioria dos diagnósticos graves nesse grupo, pessoas que tentam suicídios. 

E aí temos a distimia, que faz com que a pessoa afetada tenha momentos de tristeza, mas não impede que ela realize suas obrigações diárias. 

Controle de Impulso – 4,3%

Apesar do pequeno índice, esse é o transtorno mais notado diariamente, entre as pessoas. Que podem ser observados em situações como um ataque de raiva, um bate-boca mais grosseiro, brigas de trânsito e até mesmo ao quebrar objetos para aliviar o estresse.

O mais comum com 3,1% é a desordem explosiva intermitente, que tal descontrole emocional é chamado. 

Em seguida vem o déficit de atenção por hiperatividade e também o distúrbio oposicional desafiador, esse é mais frequente na adolescência, que é facilmente reconhecido pelo excesso de atitudes negativas e teimosia. 

Exagero de Substâncias – 3,6%

Esse é conhecido por ser o pior dos distúrbios, muitas vezes está ligado a outros problemas que devem ser tratados juntamente com a dependência. Cerca de 95% dos casos são graves e têm ligação com o álcool.

Segundo pesquisas, 93, 2% dos casos são críticos, com o uso de drogas ilícitas, muitas vezes está ligado com a procura por alívio de sintomas mentais. E quando o usuário não consegue mais viver sem a droga se torna um caso de patologia.  

Segundo os dados a descrição das pessoas que mais sofrem com distúrbios psíquicos nos 39 municípios de São Paulo, são:

  • Pessoas entre 35 e 49 anos, são as idades mais afetadas;
  • Cerca de 80% dos diagnósticos ligados a controle de impulsos, são identificados como severos;
  • O índice de pessoas aqui no Brasil é bem alto, cerca de 29,6%, ficando na frente dos Estados Unidos com 26,2%;
  • A maioria das pessoas chegam a desenvolver três tipos de distúrbios e 10% dos casos são bem sérios;
  • O distúrbio por medo de multidões, é grave em cerca de 57% das pessoas.

Saiba que pode ser feito para melhorar a qualidade vida nas grandes cidades

Um bom passo para ser dado para melhorar a qualidade de vida das pessoas nas grandes metrópoles, é investir em segurança, boa educação, que consiga moradia digna, saneamento básico, boa saúde.Ter bons transportes, acesso à cultura, lazer e esportes.

Além disso, você pode fazer algumas coisas ao longo da sua rotina que podem te ajudar a viver melhor nas grandes metrópoles. Que são:

  • Evitar trânsitos, se for possível vá trabalhar de bicicleta;
  • Se alimentar bem;
  • Pratique exercícios frequentemente;
  • Converse com os amigos;
  • Nos dias de folga viaje para lugares mais calmos, com mais natureza;

Com algumas dessas dicas você pode fazer da sua rotina, um pouco menos estressante.