Como ocorre o processo de cicatrização e regeneração da pele após lesões?

A restauração da pele após uma lesão é um dos processos mais importantes do corpo e acontece de duas maneiras diferentes. Entenda como.

Você sabia que a pele é considerada o maior órgão do corpo humano? Além de levar esse título, a pele ainda é um dos órgão que mais exige cuidados, pois pode sofrer com adversidades internas e externas. Exatamente por isso que existem diferentes tipos de produtos para pele, principalmente para o rosto, para atender todas as necessidades de cuidados.

Entre os problemas que podem surgir para a saúde da pele, as lesões são as que mais exigem atenção. Isso porque, se não forem tomados os cuidados necessários, os processos de regeneração e de cicatrização podem não ocorrer da maneira ideal. Por isso, é sempre importante entender como cuidar de uma lesão e quais os procedimentos que fazem com que ela suma.

Entenda as diferenças entre regeneração e cicatrização

Quando se fala em lesão, é preciso considerar os diferentes tipos que existem. Não são apenas grandes machucados que são considerados lesões (como em caso de queimaduras), mas também os pequenos, como os causados por acnes.

Dependendo do tipo, o corpo promove os processos de regeneração ou cicatrização, sendo que muitas vezes os dois podem acontecer ao mesmo tempo, dependendo da lesão. Entenda as diferenças abaixo.

Regeneração

O processo de regeneração é o que ocorre em lesões pequenas, em que as células de pele saudável estão próximas e, por isso, conseguem se regenerar e “fechar” aquela lesão de maneira muito mais fácil e rápida. Nesse processo, são recuperadas as estruturas perdidas por meio da proliferação de células e tecidos saudáveis que estão próximos à lesão, que é mais superficial.

Cicatrização

De maneira geral, a cicatrização ocorre quando as lesões são maiores ou mais profundas, quando não é possível “fechá-la” apenas com a regeneração de células saudáveis na parte mais superficial da pele.

Dessa forma, o tecido onde está a lesão é substituído por um tecido conjuntivo vascularizado a partir de um processo desencadeado pelo sistema imunológico, vascular e nervoso. Por conta disso, o tecido pode acabar sendo mais fibroso, formando a cicatriz aparente.

Também existem dois tipos de cicatrização: a de primeira ou de segunda intenção. O primeiro caso é quando os tecidos ao redor da lesão são trazidos para mais perto um do outro, facilitando a cicatrização. Um exemplo é a cicatrização por pontos ou cola cicatrizante, muito utilizada em cirurgias atualmente.

A cicatrização de segunda intenção acontece quando não é possível aproximar a pele saudável e, assim, o tecido conjuntivo vascularizado precisa preencher todo o espaço da lesão, como é o caso de cicatrizes de queimaduras.

Como acontecem a regeneração e a cicatrização

Tanto a cicatrização quanto a regeneração são processos estimulados pelo sistema imunológico, vascular e nervoso. Assim que uma lesão acontece, o processo de restauração já se inicia, pois é uma forma de o corpo se defender de bactérias e outras situações que podem colocá-lo em risco.

O processo de regeneração e cicatrização começa assim que a lesão ocorre e passa por diferentes fases, que acontecem simultaneamente:

  • fase de hemostasia: praticamente instantânea à lesão, é quando acontece a coagulação da ferida para estancar a perda de sangue;
  • fase inflamatória: acontece instantaneamente à lesão, iniciando o processo quando células inflamatórias atuam no machucado, causando os sintomas iniciais de cicatrização, como calor, dor e rubor;
  • fase proliferativa: quando as células saudáveis se proliferam (no caso da regeneração) e o tecido conjuntivo começa a ser formado novamente (caso da cicatrização), levando à reconstrução, com avanço que já pode ser observado nas primeiras 24 horas;
  • fase de remodelação: quando ocorre a troca do tecido conjuntivo criado no início da cicatrização por outro mais “organizado” quimicamente, que realmente torna a cicatrização e a regeneração eficazes e seguras a longo prazo.

Cuidados que devem existir durante a cicatrização e a regeneração

Como foi visto, a regeneração e a cicatrização são processos que acontecem em fases e, por isso, é preciso tomar cuidado para que elas não sejam interrompidas de maneira a prejudicar a recuperação da pele.

Em caso de grandes lesões, com processo inflamatório maior, e as causadas por cirurgias, é recomendado seguir as indicações dos médicos nos cuidados. Já as pequenas lesões podem ser cuidadas em casa, tomando alguns cuidados diários para evitar maiores problemas e estimular a regeneração ou a cicatrização. Entre eles, estão:

  • manter a pele hidratada, para facilitar a ação das células;
  • não coçar o local, pois isso afeta a reconstrução do tecido conjuntivo, atrasando o processo;
  • não expor a cicatriz ao sol, pois isso pode ressecar e manchar a pele. Se o fizer, usar sempre protetor solar;
  • alimentar-se de forma saudável, evitando a inflamação do corpo e contribuindo com a construção do tecido conjuntivo;
  • manter a cicatriz sempre limpa, evitando contaminação com bactérias.

Casos de lesões mais severas, como acnes de grau elevado, também precisam de atenção especial. Por isso, é sempre recomendado que pessoas com esses casos procurem a opinião de um médico especializado.